segunda-feira, 22 de novembro de 2010

do instrumento e da consequência

... o pensamento segue livre...
e eu o deixo assim sem censurar minhas palavras
nem cercear meus pensamentos,
deixo-me ao correr do tempo,
ao ruflar de qualquer coisa que rufle,
ao deslizar da pena...

─ Mas quer saber?
Outros talvez assim já tenham produzido textos maravilhosos.
Este dá pena.



4 comentários:

Eder Asa disse...

Dá pena, tanta pena que se pode até voar.

Anônimo disse...

Olá,
Estou com pena,
Mas meu pensamento está preso,
E nada sai da mente.
Isso sim, é de dar pena!

Marcelino disse...

Leio com o companheiro Eder Asa: a pena de que falas só pode ser a que faz voar: o texto dá muitas penas e um empurrão soprado com o vento dos não censurados pensamentos.

Lucas Dayrell disse...

Eeeeeeeeei curtt, adorei o seu blog, seus poemas, seu jeito de lidar com as palavras são demais viu! você faz a criatividade ir para o papel sem medo, te curto curtt, baijokas